Orquestra suíça e coral português atuam na Igreja de S. Leonardo, em Atouguia da Baleia - 8 de agosto, 22h00

Orquestra suíça e coral português atuam na Igreja de S. Leonardo, em Atouguia da Baleia - 8 de agosto, 22h00
Orquestra suíça e coral português atuam na Igreja de S. Leonardo [+] Fotos

A Igreja de S. Leonardo, na Vila de Atouguia da Baleia, será palco no próximo dia 8 de agosto, pelas 22h00, de um concerto pela orquestra Camerata d´Archi (Genebra) e Coral Nascente (Olho Marinho, Óbidos).

A orquestra suíça Camerata d´Archi é uma Orquestra de Câmara composta por jovens músicos de nível superior, estudantes em Genebra, Lausanne e noutros locais da Europa. Tratam-se, na maioria, de alunos do Professor Stéphane Boichut, respectivo maestro.

Esta digressão a Portugal, em intercâmbio com o Coral Nascente de Olho Marinho, Óbidos, conta com a parceria da orquestra dos colégios (e ginásios) de Lausanne, nos quais o Professor Boichut é docente.



Composição

Primeiros Violinos: Noémie Calpini, Laetitia Piguet , Lucie Doggwiler, Tamara Evangelista Pinto, Caryl Cordt Moller, Milena Hendriks;

Segundos Violinos: Donia Dellagiovanna, Romain Chatton, Rayan Ghazinouri, Robin Giroud, Louise De Lucia, Luca de Gaspar;

Violetas: Nicolas Kaeppeli, Mathieu Centelighe;

Violoncelos: Quentin Posva, Annina Stuber, Coraline Piguet.


Maestro Stéphane Boichut

Inicia os seus estudos de violino no Conservatório de Marselha, onde obtém um primeiro prémio na classe de Jean Ter Merguerian, música de câmara na classe de Adrienne Privat e direção de orquestra, classe de Pol Mule. Nesta área, em Paris, estuda com P. Boulez, composição com M. Ohanna e no violino prossegue com M. Moulin. Já como professor é violinista na Ópera e orquestra de solistas desta mesma cidade, usufruindo de oportunidades de trabalhar com figuras de relevo tais como, J. Furst, Sir G. Solti, D. Baremboim, I. Stern, M. Rostropovitch e L. Maazel. Em 1981 é laureado no concurso internacional do Lions Club em Lisboa, como solista. Participa no Festival Pablo Casals e noutras cidades como Florença, Berlim e, obviamente, Paris.

Paralelamente à sua carreira de violinista, especializa-se em direção com J.C. Casadessus, Y. Marin e Rico Saccani. Este convida-o para seu assistente nas óperas Nabucco, Rigoletto e Turandot no Festival de Avenches, Suíça e a dirigir um evento de Ópera em Budapeste.

Além de diretor artístico do festival “Les mardis d´Euterpe” em Marin, França, no período de 1983 a 2005 dirige as orquestras das óperas de Marselha, Nice, Anvers, Montpellier, Festival de Avinhão, solistas de Bolchoi, Suiça Italiana, Suiça Românica, Jovens de Quebéc, Fundação Gulbenkian, Orquestra de Câmara de Munique. Em 2004 é convidado para o festival mundial da juventude e da cultura de Pequim. Em 2007 dirige “Le chant de la terre” de Gustav Mahler. Responsável pela orquestra de formação “Praeclassica” em Genebra de 2002 a 2012 é também docente, chefe de orquestra e de música de câmara na Academia “d´Archi” em Genebra, que hoje nos visita. Em Lausanne rege a cadeira de orquestra dos Colégios e Ginásios desta cidade.



CORAL NASCENTE – Olho Marinho, Óbidos

Fundado em 1989 pelo seu actual director artístico para interpretação de música tradicional portuguesa, constituindo-se como associação. De 1992 a 2012 foi dirigido pelo maestro José Alexandre Chambel, atuando em vários pontos do país, com reportório variável desde o período renascentista à música contemporânea. Participou na divulgação do compositor obidense José Joaquim dos Santos (1745-1801). Desde 2012, com o regresso do seu diretor artístico encetou uma reforma estrutural, desenvolvendo uma Oficina Informal Artística de Inclusão e Cultura (OIAdIC) com prática musical de ensino construtivista e criativo nos instrumentos de violino, violoncelo, flautas, guitarras e teclas para ocupação da comunidade escolar local. Possui um coro infanto-juvenil. Privilegia os recursos humanos e artísticos locais nas suas diversas atividades.



Composição - vocal

Sopranos I: Sofia Carvalho, Cristiana Monteiro, Graça Saldanha, Sandrina Patriarca. Sopranos II: Carmen Tomé, M. Conceição Pereira, Luisa Leitão, Joy Bradley.

Altos: Micaela Reis, Isabel Patriarca, Lurdes Carvalho, Sandra Gaspar, Helena Pires. Tenores: Nuno Braz, José A. Félix, Gonçalo Henriques.

Baixos: Christopher Pereira, David Marques.

Composição - instrumental (oficina de música)

Primeiros Violinos: Ana Lúcia Leitão, Laura Mesquita, Flávia Militão, Mariana Paulino;

Flauta Transversal: Ana Francisca Leitão, Alberto Campos;

Flauta Barroca Contralto: Marta Machado;

Violoncelos: Rafael Reis;

Órgão: João Perdigão.



Maestro Luizinho Leal

Diretor artístico desde 1982. Fundou e dirigiu a maior parte dos corais desta zona oeste (Caldas da Rainha, Óbidos e Bombarral e Academia Stella Maris de Peniche). Diplomado em Canto com curso acessório de Piano, Composição, História da Música e Acústica. Professor de Educação Musical e Mestre em Arte e Educação.


PROGRAMA SINFÓNICO

Symphonie, Cimarosa 10’
Pizzicatto Polka, Strauss 5’
Interlude sur un monde ntique, Glazounov 7’
Capriol, Warlock: 1-2-5-6 mvts 10’
2 concertos para 4 violinos, Antonio Vivaldi 20’


PROGRAMA CORAL-SINFÓNICO

Intermezzo da Ópera “Cavalleria Rusticana”/ Ave Maria, de Pietro Mascagni
Ave Verum, Mozart
Magnificat, Buxtheude
Coral da Cantata 147, J. S. Bach

Este evento é de entrada livre


CONTACTOS

Largo do Município
      2520-239 Peniche

(+351) 262 780 100

(+351) 262 780 111

 cmpeniche@cm-peniche.pt


 





Subscreva a nossa newsletter e receba todas as novidades no seu email.